jueves, 24 de agosto de 2017

"Orientação para a Boa Vida”

                  
Princípios Fundamentais para a Construção de um Modelo Latino-Americano de Orientação Educacional
Baseado na Teoria do Desenvolvimento da Escala Humana

Revista Latinoamericana de Orientación y Desarrollo
Humano: “OrientAcción” /2017 [2]

JUSTIFICAÇÃO

Pôr do sol do paradigma problemático na orientação educacional (O.E). Com base em testemunhos apresentados por conselheiros praticantes sobre os altos níveis de angústia no trabalho e frustrações geradas pelo cargo, parece ser o momento de reconhecer o fracasso do paradigma "problemático" positivista ocidental (mais interessado na resolução rápida de problemas Que, na sua compreensão), enquanto a complexidade para a "intervenção" das realidades sociais das comunidades educativas, mostra a incapacidade da Orientação como um campo disciplinar de caráter pedagógico, para resolver qualquer problema dessas comunidades, enquanto não é contado Efetivamente com recursos institucionais ou estaduais (interagências) para esses propósitos.

            Portanto, paradigmas humanistas do desenvolvimento humano, paradigmas de complexidade, epistemologias descolamentais e modelos investigativos de tipo dialógico hermenêutico. Implementados como um conjunto de ações profissionais que superam a posição assistencialista, poderiam ser a rota alternativa relevante para o futuro do campo, em (Max-Neef, 2005) e reinterpreta o papel orientador que pode ser construído a partir da esfera educacional, para a sociedade em geral.


1.    Áreas de Orientação Educacional (Ser / Pertencer)

A Orientação Educacional(OE) como um campo interdisciplinar de confluência das Ciências da Educação (Pedagogias, Psicopedagogas), ciências da saúde (psicólogos, terapeutas) e Ciências Sociais (Sociólogos, assistentes sociais), requer a formação de Equipes interdisciplinares articuladas com as organizações e / ou projetos do campo em que o trabalho é realizado e para projetar, implementar e avaliar permanentemente tais ações no trabalho de campo. Esta afirmação é apoiada pelo desenvolvimento de programas abrangentes de orientação em áreas diferentes da educação formal, como as desenvolvidas nas prisões em países como Argentina e Costa Rica.
2. Abordagens, princípios teóricos e profissionais do campo (ter)
2.1 Abordagem filosófica: como uma filosofia fundamental do modelo "Orientação para a boa vida", uma mudança na abordagem de "assistência" (bem-estar) é estabelecida para o "processo de acompanhamento pedagógico" para uma boa vida. Diretamente herdada da visão de mundo ancestral de Abya Yala (território americano atual), "terra em juventude permanente" em que a própria vida e tudo nele é sagrado e que o conhecimento popular e o conhecimento acadêmico são Digno de ser apreendido (sete aprendizagens básicas) em função da "Boa Vida" compreendida a partir das dimensões existenciais (Max-Neef) e a combinatória de três saberes fundamentais, saber Ter, saber fazer e saber convivir com aqueles que constituem em Seu combinatório "Ser sabendo" social totalmente harmonizado com a natureza não como um recurso, mas como uma mãe de vida de apoio: "Pacha Mama".
2.2 Abordagem Epistemológica. O objetivo do estudo do campo de orientação educacional a partir da perspectiva interdisciplinar proposto neste modelo é mais próximo da busca do significado da vida através da assunção dos diferentes papéis sociais necessários em cada uma das transições emocional, acadêmica e de trabalho. A perspectiva da pesquisa, conseqüentemente com uma atitude pós-colonial, é separada da abordagem problemática proposta pelo positivismo lógico clássico de origem européia, por meio de pesquisa hermenêutica fenomenológica e sócio-crítica.
2.3 Abordagem metodológica. É necessário assumir a Orientação Educacional como "Praxis Filosófica" (Finn Hansen) com o objetivo de superar a abordagem instrumentista psicométrica predominante na práxis profissional do conselheiro de campo.
2.4 Abordagem Sociológica.
2.4.1 Desenvolvimento Wellness VS. O conceito de "Bem-estar" com a conotação de bem-estar, hedonista, individualista e de desenvolvimento precisa ser substituído por um paradigma mais complexo para o campo.
2.4.2 Olhando para o "Desenvolvimento Humano". A teoria de Manfred Max-Neef sobre "Desenvolvimento da Escala Humana" (2005), cuja ontologia ecológica, considera o ser social como o principal sujeito da vida, das culturas e A economia mundial; É justificado pelo fato de apresentar uma abordagem alternativa (Axiológica-Existencial) às necessidades humanas de abordagem matricial-simultânea, não-piramidal (Maslow) e ecológica do desenvolvimento socioeconômico, pode se tornar uma das principais referências teóricas para orientação educacional . Pode-se desenvolver um processo pedagógico-filosófico interativo que supera, entre outros, a abordagem psicométrica instrumental técnica mencionada.
Esta teoria permite a concepção de programas de orientação educacional destinados a promover o desenvolvimento do potencial das pessoas ao longo de sua vida acadêmica e profissional (Bisquerra, 1992) através da realização de necessidades sociais universais, integradas pela busca do significado E as identidades pessoais e coletivas, em suas dimensões axiológicas-existenciais, construindo formas subjetivas de Ser, Tendo, Fazendo e sendo ou pertencendo ao meio do conflito existencial: [Duty To Be-Wanting to Be], considerando as racionalidades morais enquadradas entre [Post- Convencional e sub-convencional] na busca do "poder social" social.
2.4.2 Foco na prevenção biopsicossocial. Este modelo é entendido como a abordagem de prevenção biopsicossocial, como uma metodologia de pesquisa para estabelecer linhas de base sobre as condições de risco bio-psicossocial e comportamentos das comunidades educacionais atendidas em suas áreas intrapessoal e interpessoal (doméstica, acadêmica e Nível comunitário).
2.5 Abordagem psicológica. Os princípios da psicologia positiva: "... definidos por Seligman (1999) como estudo científico de experiências positivas, traços individuais positivos, instituições que facilitam seu desenvolvimento e programas que ajudam a melhorar a qualidade de vida dos indivíduos, Ao prevenir ou reduzir a incidência de psicopatologia. Também foi definido como o estudo científico das forças e virtudes humanas, que nos permite adotar uma perspectiva mais aberta sobre o potencial humano, suas motivações e habilidades. "Eles são tomados como base para a abordagem psicológica do modelo:" Orientação para a Boa Vida"
2.6 Abordagem pedagógica.
 "A Escola de Aprendizagem[3]", Ensinando a compreensão, estilos de aprendizagem no contexto de aprendizagem significativa, Inteligências Múltiplas.
O modelo latino-americano: "Orientação para a Boa Vida", pela alternativa pedagógica de "A Escola que Aprende", com foco marcado em "Ensinar para a Compreensão" em vez da escola funcionalista (efetividade, eficiência e eficácia ) Orientado para a memória e os resultados acadêmicos avaliados em uma unidimensional (aprendizagem acadêmica) por testes padronizados externos. Em vez disso, trabalhamos na busca de um verdadeiro aprendizado significativo (Ausubel), não só cumprindo o requisito de integração com a estrutura cognitiva anterior, mas também buscando essa aprendizagem por descoberta com base na geração de expectativas por parte dos alunos e a Desenvolvimento de inteligências múltiplas ao introduzir novos desafios acadêmicos que produzem a construção do significado pela própria pesquisa acadêmica"
2.7 Profissionais de campo
2.7.1 Comunidades acadêmicas. A formação oficial de comunidades acadêmicas de referência científica é necessária, com o objetivo de avaliar e validar e redesenhar atempadamente as ações propostas e desenvolvidas no campo, pelos membros dessas comunidades.
2.7.2 Natureza interdisciplinar. Orientação Educacional Implica a necessidade de disciplinas interdisciplinares (Marín e Marín, 2017), coordenadas, reticulares e em equipe (Pérez, 2017) disciplinas sistematizadas e oportunas relacionadas às ciências humanas (ciências sociais, ciências da educação, Saúde) articulados em três principais eixos conceituais: psicológicos ou intra-pessoais, pedagógicos e sociológicos ou inter-pessoais-Socio-afetivos, fundações para o projeto, implementação e avaliação permanente de modelos, métodos, estratégias e técnicas didáticas adequadas para promover Desenvolvimento integral da comunidade educacional.
3. Áreas e Linhas de Ação (OD) definidas operacionalmente
3.1 MÉTODO: O OE como um campo multidisciplinar pertencente às ciências humanas, precisa tomar como metodologias fundamentais para o seu trabalho, "Pesquisa social e pedagógica", visando o estabelecimento de caracterizações populacionais úteis como linhas de base gerais sobre as necessidades específicas de desenvolvimento de As comunidades educativas e, conseqüentemente, o projeto, implementação e avaliação contínua de metodologias apropriadas para facilitar seu desenvolvimento. Uma vez que essas linhas de base foram estabelecidas, poderia realizar um trabalho focado de acordo com as linhas de ação que são consideradas relevantes.
3.2 Definições Operacionais (De acordo com pesquisas do periódico "Orientação" (nº 3. 2017 Revisado em agosto do mesmo ano).
3.2.1 ORIENTAÇÃO EDUCATIVA: orientação educacional conceituada como um processo de acompanhamento pedagógico para o desenvolvimento humano das comunidades educativas, e implementado fundamentalmente de espaços sócio-acadêmicos, não se restringe aos contextos formais de educação (Mexicano de Orientação, REMO 31 P 65). , Mas constitui uma ação humana de ampla aplicação onde o acompanhamento profissional é necessário para melhorar o desenvolvimento do ser humano. Isso ocorre ao longo da vida, em todas as suas dimensões axiológicas-existenciais e em todas as suas esferas: Comunidade, Acadêmico, Trabalhista, Intra-pessoal e Interpessoal ou Socio-afetivo (casal-Família). A pertinência deste processo pedagógico que pode ocorrer em qualquer momento do ciclo de vida tende a ser maior durante os fenômenos de transição relevantes característicos das trajetórias acadêmicas e sociais (Orientação de transição). Implica a necessidade interdisciplinar, assumindo, portanto, a mediação coordenada e oportuna de disciplinas relacionadas às ciências humanas (ciências sociais, ciências da educação, ciências da saúde) articuladas em três principais eixos conceituais: psicológicos, pedagógicos e sociológicos, fundações para O projeto, implementação e avaliação permanente de modelos, métodos, estratégias e técnicas apropriadas ou didácticas para promover o desenvolvimento integral da comunidade educacional. Também requer mediação interinstitucional de setores estaduais (bem-estar, saúde pública, proteção especial) e / ou agências privadas (O.N.Gs) orientadas para o desenvolvimento humano (abordagem intra-setorial e / ou interinstitucional). Brunal, Vázquez et al (R.2017 b)
ORIENTAÇÃO DE ÁREA PARA A VIDA ACADÊMICA
3.2.2 Orientação para o desenvolvimento acadêmico: processo de acompanhamento pedagógico para que os alunos atinjam sua necessidade axiológica de "Compreensão" identificando e qualificando suas potencialidades cognitivas gerais (inteligências múltiplas) e desenvolvendo habilidades cognitivas comunicativas específicas (Compreensão Expressão oral e escrita / expressão oral e escrita) para facilitar o processo de aprendizagem e o uso e o gozo da experiência escolar, adaptando-se adequadamente às demandas do contexto escolar, a fim de obter resultados acadêmicos ótimos.
3.2.3 Orientação profissional. definida como um processo de acompanhamento pedagógico ao fenômeno existencial da busca de identidade e significado para a construção social de projetos de vida; Está enquadrado no conflito existencial: [Duty To Be-Will Be] é alcançável na construção do "poder de poder social" e promove a autodeterminação entendida a partir da racionalidade comunicativa como um processo de reflexão para a construção do "Ser" social. Esta tarefa de transição é constituída pela conceituação, implementação e avaliação de ações pedagógicas orientadas para a identificação de aptidões, atitudes e esforços requeridos em áreas específicas de conhecimento, harmonizadas com a busca de um ótimo desenvolvimento das potencialidades humanas em todas as suas dimensões. ; Desenvolvimento que se manifesta em projetos éticos, autodeterminados ou autênticos (Hansen, 2005) e socialmente comprometidos. Este processo pedagógico promove a reflexão existencial baseada na identificação de três tipos de recursos:
1. Intra-pessoal: Habilidades e Atitudes relacionadas aos caminhos da carreira
2. Interpessoal: comunidade educacional.
3. Institucional: organizações governamentais e / ou não governamentais. Identificar esses recursos é fundamental devido ao seu impacto na tomada de decisões auto-determinadas (autênticas), éticas, saudáveis ​​e sustentáveis ​​em contextos sociais, acadêmicos, profissionais ou de trabalho. A pertinência deste processo pedagógico que pode ocorrer em qualquer momento do ciclo de vida é geralmente maior durante os fenômenos de transição relevantes típicos das trajetórias acadêmicas e sociais (Orientação Transitória). Brunal, Vázquez et al (R 2017 B).


ORIENTAÇÃO DA ÁREA PARA A VIDA NA SOCIEDADE

3.2.4  Orientação para a convivência (saber como viver / viver)
"Processo de acompanhamento pedagógico orientado para a realização das necessidades axiológicas-existenciais de: Participação, Criação, Recreação, Liberdade, baseada na ação-reflexão-ação, aberta à diversidade dos mundos da vida, Psico-sociocultural e espiritual, para fomentar o desenvolvimento do ser e viver juntos, através da promoção da aprendizagem social necessária para a convivência ativa e criativa. Baseia-se na educação em valores e no reconhecimento de princípios morais que geram comportamentos contrários a posições violentas ou discriminatórias na comunidade.



3.2.5 Orientação para a sexualidade

"Conjunto de ações pedagógicas voltadas para a realização das necessidades axiológicas-existenciais de Identidade e Afeto com base na identificação e desenvolvimento de habilidades de autoconhecimento para se relacionar com os outros a partir do papel do gênero como um processo em construção, transversal ao conhecimento de O próprio corpo de todas as dimensões axiológicas-existenciais, permitindo a construção de laços afetivos saudáveis "


3.2.6 Orientação da família

  A Orientação da Família entendida como um processo de acompanhamento pedagógico, dirigido às famílias dos orientantes com as quais é procurado que estes identifiquem e compreendam as dinâmicas sociais que atravessam na sua evolução histórica, a fim de definir ações apropriadas de caráter individual e / Ou coletiva, tendendo a melhorar as relações familiares em uma comunidade, a fim de facilitar comportamentos saudáveis e hábitos de vida e favoráveis à vida de qualidade (José N. Villarreal S.)



ORIENTAÇÃO DE ÁREA PARA VIDA INTRAPERSONAL

3.2.7 Identidades e subjetividades

O processo de acompanhamento da busca permanente subjetivo-existencial do "eu" em relação aos outros, que constitui o processo de desenvolvimento da personalidade, é definido como um objetivo geral dessa linha de ação da Orientação Educacional.

3.2.8 Inteligências Múltiplas.

As ações individuais e coletivas em Inteligências Múltiplas são definidas para este modelo, como as que visam identificar e desenvolver potenciais cognitivos individuais específicos de desempenho excepcional de todos os membros das comunidades com as quais trabalhamos em Orientação Educacional nas áreas de Inteligência Emocional ( Interpessoal e Interpessoal), Inteligência Ambiental, Espaço, Kinestésico-corporal, Lingüística, Musical, Matemática.



REFERÊNCIAS


Contreras, Francoise, & Esguerra, Gustavo. (2006). Psicología positiva: una nueva perspectiva en psicología. Diversitas: Perspectivas en Psicología2(2), 311-319. Retrieved August 24, 2017, from http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-99982006000200011&lng=en&tlng=es

Chá y Quiroga (2017). La orientación educativa laboral en contextos carcelarios. Disponible en  https://revistaorientaccion.blogspot.com.co/2017/03/la-orientacion-educativa-laboral-en.html

El Abya Yala. Eduardo Quillaguamán Sánchez

El paradigma de la complejidad en Edgar Morin. Oscar López Ramírez .Disponible en http://www.bdigital.unal.edu.co/11086/1/01235591.1998.pdf

El pensamiento complejo en Edgar Morin. Antonio Acevedo Linares. Disponible en


Fundamentos sobre la Orientación Profesional actual en la construcción de proyectos académico-profesionales. Abel Merino Orozco disponible en http://remo.ws/REVISTAS/remo-31.pdf. Julio-diciembre 2016


La descolonización y el giro des-colonial1

La Teoría del Aprendizaje Significativo de David Ausubel. https://psicologiaymente.net/desarrollo/aprendizaje-significativo-david-ausubel#!

Opiniones de expertos en orientación educativa a través del grupo focal como método para descubrir una estructura de sentido compartida. María Guadalupe Escamilla Gil. http://remo.ws/REVISTAS/remo-31.pdf

Postulados, paradigmas y modelos para un Modelo latinoamericano de Orientación Educativa. Artículo completo disponible en: 

Pueblos indígenas y naturaleza: la alternativa del buen vivir. Gloria Alicia Caudillo Félix.http://www.alainet.org/es/active/37750


Revista “OrientAcción”. N° R(2017) disponible en https://issuu.com/amilkarbrunal/docs/revista_de_orientaci__n_y_desarroll


Santos Guerra Miguel Angel .(2006) . La escuela que aprende .Ed. Morata  http://www.edmorata.es/libros/la-escuela-que-aprende
Suárez, Jaqueline, Maiz, Francelys, & Meza, Marina. (2010). Inteligencias múltiples: Una innovación pedagógica para potenciar el proceso enseñanza aprendizaje. Investigación y Postgrado25(1), 81-94. Recuperado en 24 de agosto de 2017, de http://www.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1316-00872010000100005&lng=es&tlng=es.




[2]Equipo de Investigación: Amilkar A. Brunal Psicólogo, Especialista en Orientación Educativa y Desarrollo Humano, Magister en Investigación Social Interdisciplinaria. Lic. Silvia Gabriela Vázquez(Argentina)/Lic. Ps.P. Andrea Mora,/Lic. PsP. Marcela Salcedo G

[3] El autor hace una reflexión sobre el carácter dinámico de la institución, su compromiso social y su apremiante necesidad de adaptarse a los nuevos retos y exigencias. Este planteamiento exige modificaciones en las concepciones sobre la naturaleza y funciones de la institución escolar, en la forma de seleccionar y formar a los profesionales que trabajan en ella y en la manera de organizar la práctica escolar.Miguel Angel Santos Guerra(2006) http://www.edmorata.es/libros/la-escuela-que-aprende